Diretor da OMS responde a Bolsonaro: 'UTIs estão lotadas em muitos...

  • 25/03/2020
  • 0 Comentário(s)

Diretor da OMS responde a Bolsonaro: 'UTIs estão lotadas em muitos...

Atualizado às 14hs19min. - Por FM Educativa

Diretor da OMS responde a Bolsonaro: 'UTIs estão lotadas em muitos países'

Tedros Adhanom Ghebreyesus (foto), diretor-geral da OMS, mandou uma resposta direta ao presidente Jair Bolsonaro, que insistiu em minimizar o coronavírus e chegou a classificá-lo como uma "gripezinha" ou "histeria".

Questionado pela coluna sobre qual mensagem ele passaria para o presidente brasileiro, o africano que lidera a agência de Saúde foi claro em contestar sua posição e desautorizar Bolsonaro.

"Em muitos países, as UTIs estão lotadas e essa é uma doença muito séria", declarou Tedros.

O tom usado pelo presidente Jair Bolsonaro em sua mensagem ao país na noite de terça-feira sobre o coronavírus deixou entidades internacionais perplexas e preocupadas com o destino de milhares de pessoas.

Em sua fala, Bolsonaro questionou alguns dos pilares martelados desde janeiro pela OMS para tentar frear a pandemia. Ele colocou em xeque o distanciamento social e o fechamento de escolas. Mas, acima de tudo, deu a impressão de que a doença apenas atinge os mais velhos, algo que a OMS tem alertado que não é o caso.

Instantes antes da resposta de Tedros nesta quarta-feira, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, fez um apelo para que governos em todo o mundo entendam que a ameaça é para "toda a humanidade".

Há poucas semanas, Tedros chegou a dizer que vender tal percepção de que se trata de um doença que mata apenas idosos - mesmo que fosse verdade - representa a "falência moral" da sociedade.

Numa outra coletiva, o africano foi enfático: "jovens: vocês não são invencíveis".

Nesta quarta-feira, coube a uma das diretoras técnicas da OMS, Maria van Kerkhove, reforçar a ideia de que crianças também são "vulneráveis" e que casos sérios foram registrados entre jovens.

Para fontes nos organismos internacionais, o discurso de Bolsonaro é "perigoso", já que incita os mais jovens a desrespeitar medidas de distanciamento social e cuidados básicos.

Mas é o tom de Bolsonaro minimizando a doença - a chamando de histeria e "gripezinha" - que gerou enorme preocupação entre os técnicos internacionais nesta quarta-feira.

Consultados pela coluna, vários deles indicaram que o temor é de que, ao mandar essa mensagem, Bolsonaro mina a tentativa da OMS de conscientizar milhões de pessoas sobre a necessidade de tratar a doença como algo sério. Por semanas, a direção da agência vem tentando convencer políticos pelo mundo de que a situação é grave. "Acordem", chegou a dizer o chefe de operações da entidade, Michael Ryan, aos governos.

Denúncia

A OMS ainda recebeu nesta quarta-feira uma denúncia apresentada pela bancada do PSOL na Câmara dos Deputados contra Bolsonaro. O grupo de deputados já havia levado a queixa contra o governo às entidades internacionais há cerca de dez dias. Agora, a nova denúncia deve ser anexada à queixa inicial.

Em uma carta enviada ao diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e ao Relator Especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o direito a saúde, Dainius Puras, os parlamentares pedem ajuda internacional para cobrar respostas do governo brasileiro e que a atitude do presidente seja desautorizada publicamente.

O texto é assinado por deputadas como Fernanda Melchionna, Luiza Erundina, Glauber Braga, David Miranda, Ivan Valente e Marcelo Freixo.

"Enquanto governadores e autoridades locais estão implementando medidas para impedir a disseminação do vírus, o Sr. Bolsonaro decidiu atacá-los, argumentando que eles prejudicariam a economia. Ontem, em discurso transmitido nacionalmente, o presidente do Brasil foi contra as recomendações das autoridades sanitárias internacionais e nacionais e atacou as medidas de distância social e quarentena", apontaram.

Uma cópia do discurso original em português e uma tradução em inglês foi submetida a Tedros e ao relator da ONU.

"No seu discurso de ontem, o Sr. Bolsonaro apelou literalmente à população para voltar às suas vidas normais em prol da economia e questionou a gravidade da pandemia do coronavírus, sugerindo que o isolamento deveria acontecer apenas para as pessoas mais velhas. Ele também usou o seu discurso para acusar, mais uma vez, a imprensa brasileira e as autoridades locais de disseminar o pavor e a histeria", indicaram.

"É incerto porque o Sr. Bolsonaro está desafiando a ciência, as autoridades sanitárias e toda a comunidade internacional desta forma. No entanto, é certo que a forma como ele quer conduzir o país através desta pandemia ameaça milhões de vidas brasileiras e o esforço internacional para deter este vírus", alertaram.

Os deputados querem que a OMS e o relator da ONU exijam "explicações da Missão Permanente do Brasil junto à ONU em Genebra e do Ministério da Saúde do Brasil", e que desaprovem publicamente as ações e declarações do presidente.

Modelos

Além de repetir em grande parte o posicionamento do governo dos EUA, a estratégia de Bolsonaro só encontrou eco nos primeiros dias da crise no Reino Unido. Boris Johnson, o primeiro-ministro, tentou adotar uma estratégia de ação pontual. Mas, pressionado pelos números de mortes e criticado pela atitude, acabou desistindo do caminho adotado e ordenou uma quarentena em todo o país.

O Japão foi citado pelo governo brasileiro como um país que não adotou o distanciamento social. Mas o país ampliou de forma considerável sua capacidade do sistema de saúde e promoveu uma estratégia para testar de forma ampla todos aqueles com algum sintoma.

Também pesou na resposta de Tóquio o hábito de parte de sua população de levar máscaras, além de um compromisso político do governo em mostrar ao mundo que estava pronto para receber os Jogos Olímpicos, o que acabou cancelado.

Outros exemplos de países onde a quarentena não foi adotada dificilmente poderiam ser comparados ao caso do Brasil.

No caso da Coreia do Sul, apresentado como exemplo de sucesso, o governo optou por uma campanha em massa para testar os cidadãos. Aqueles com a doença foram isolados e tratados. Além disso, todos os contatos da pessoa foram rastreados.

Outro exemplo frequentemente citado é o do Cingapura. Mas, neste caso, o país se limita a uma cidade, o que facilita o controle e a identificação de cada uma das pessoas atingidas.

Fonte e Foto: Uol
Por Jamil Chade/Colunista do Uol

0 Comentários


Deixe seu comentário


Aplicativos


Locutor no Ar

ALGUSTO QUEIRÓZ

FORROZÃO 104

17:00 - 17:53

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. Gusttavo Lima

Cem Mil

top2
2. Saia Rodada

Vaqueiro da Zona Rural

top3
3. Thiago Brado

Verdade do Tempo

top4
4. Wesley Safadão e Mc Kekel

Desencana

top5
5. Gusttavo Lima

10 Anos

Anunciantes